Notícias

Postado em: 12/09/2017 - 12h24 | Redação

Assembleia de aprovação de pauta do setor químico

Com data-base em 1º de novembro, os trabalhadores da categoria química se reúnem em assembleia na sexta-feira, dia 22, para aprovar a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2017.

Nos últimos dias foram realizadas diversas reuniões internas e um seminário na Fetquim (Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico), que coordena a campanha, com o objetivo de discutir o momento econômico e político e apontar as necessidades da categoria para esta campanha.

Na opinião do coordenador geral do Sindicato, Osvaldo Bezerra, o momento é bastante conturbado e a união dos trabalhadores é fundamental.  “O governo aprovou uma legislação trabalhista que retira importantes direitos e é devastadora para o trabalhador. Nós químicos, temos uma das melhores Convenções Coletivas do País e nesta negociação vamos endurecer para manter as cláusulas sociais. Garantir a Convenção é nosso grande trunfo para frear essa reforma absurda promovida pelo golpista Temer”, explica.

Prevendo dificuldades nas negociações do segundo semestre, a CUT também  já orientou as categorias para que unifiquem suas campanhas em defesa dos direitos dos trabalhadores.

Na categoria química, sete sindicatos negociam conjuntamente – São Paulo; ABC; Osasco, Campinas, São José dos Campos, Jundiaí e Vinhedo – e juntos somam 180 mil trabalhadores, sob coordenação da Fetquim

Químicos, petroleiros, metalúrgicos e bancários são algumas das principais categorias com data-base no segundo semestre. No total, são mais de 900 mil trabalhadores.

Panorama

A estimativa para a inflação do período (de novembro de 2016 até novembro de 2017) é de aproximadamente 2,60%, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

O Sindicato deve discutir com a categoria uma pauta que contemple a reposição integral da inflação e mais um percentual de ganho real que ainda não está definido.  “A assembleia é para isso. Para que todos tenham a oportunidade de opinar e definir qual a proposta que apresentaremos à bancada patronal”, explica João Carlos de Rosis, secretário de imprensa do Sindicato. 

Outras duas importantes categorias em campanha no segundo semestre são os bancários e os metalúrgicos, ambos com data-base em 1º de setembro.  

Os bancários renovaram a convenção por dois anos em 2016 e garantiram naquela ocasião 1% de aumento real sobre a inflação apurada no período. A antecipação do acordo foi uma estratégia patronal para evitar a mobilização este ano. Porém, os bancários estão fazendo uma Campanha Nacional em defesa dos bancos públicos, do emprego, pela garantia dos direitos e contra a terceirização. 

Os metalúrgicos também estão focados na renovação da Convenção Coletiva, como instrumento de defesa dos direitos dos trabalhadores e reivindicam a inflação mais aumento real.